SubVerTaipe

A SubVerTaipe foi uma font-house brasileira, criada por Billy Bacon, que operou de 1996 a 2006. Ela é conhecida por seus tipos conceituais, expressivos e pelo desapego a legibilidade e formalidade.


História e Produção Tipográfica

Fonte Ascensorista.
Fonte Carabuda.
Fonte Caracura.
Fonte Caramba.
Fonte Chiqueiro.
Fonte Craque.
Fonte Crocante.
Fonte Heroina.
Fonte Híbrida.
Fonte Lumbriga.
Fonte Marola.
Fonte Matador.
Fonte Pasmado.
Fonte Sopão.

A SubVerTaipe existiu concomitantemente com a Nú-dës, o escritório de design fundado por Billy Bacon. Assim, várias campanhas da Nú-dës acabaram por utilizar fontes da SubVerTaipe.Os tipos mais notórios são Caramba, Xibiu, Lumbriga, Ascensorista, Myojo, Chiqueiro, Caracura e Marola. O lançamento da SubVerTaipe se deu pelo envio de kits promocionais a vários escritórios de design e publicidade, contendo fontes, catálogos, camisetas e um vídeo-documentário em VHS dirigido por Batman Zavareze. Esse foi o lançamento das primeiras fontes brasileiras disponíveis tanto para MAC quanto para PC.

As fontes da SubVerTaipe foram utilizadas em diversas mídias impressas nacionais (Revistas Trip e Joven Pan) e estrangeiras, assim como em vinhetas eletrônicas de canais de televisão (SporTV e GloboNews). A Xibiu, por exemplo, foi usada em álbum do cantor Chico César. Já a Myojo, em um álbum da banda Barão vermelho. A Pasmado, no álbúm dos Los Hermanos, a Faxer no álbum do Capital Inicial e a 1Real no álbum do Pedro Luis e a Parede, projeto que foi publicado no livro 'Linha do Tempo do Design Gráfico no Brasil' de Chico Homem de Melo e Elaine Ramos. Ainda hoje é possível encontrar fontes da SubVerTaipe em marcas e produtos, como por exemplo, o energético Mad Dog, que apresenta a Caracura em seu logotipo.

A font-house, que usava em sua divulgação posters, cartazes, impressos, adesivos e intervenções em eventos de design, acabou ficando conhecida por sua originalidade e pouca preocupação formal, deixando a legibilidade em segundo plano. Suas fontes eram confeccionadas utilizando-se matrizes pouco convencionais (máquinas de escrever danificadas, papél térmico, livros antigos e até mesmo confeitos de bolo) que permitiam resultados expressivos e de grande impacto visual, de modo a promover e desenvolver a disciplina tipográfica no país. [1]


Fontes Criadas pela Subvertaipe [2]

  • Chiqueiro (Billy Bacon, 1997)Crocante (Billy Bacon, 1998)
  • Jibóia (Billy Bacon, 1997)
  • Marola (Billy Bacon, 1997)
  • Xibiu (Billy Bacon, 1997)
  • Myojo (Bleque, 1998)
  • Mix (Bleque, 1998)
  • Blequi (Bleque, 1998)
  • Heroína (Tonho, 1998)
  • Ascensorista (Tonho e Billy Bacon, 1998)
  • Lumbriga (Bleque e Billy Bacon, 1998)
  • Caramba (Filipe Chiminazzo e Billy Bacon, 1997)
  • Caracura (Filipe Chiminazzo e Billy Bacon, 1997)
  • Carabuda (Filipe Chiminazzo e Billy Bacon, 1997)
  • Híbrida (Filipe Chiminazzo, 1997)
  • Matador (Tonho, 1998)
  • Sopão (Haroldo Portela e Billy Bacon, 1998)
  • Craque (Bleque, 1998)
  • Fator N (Felipe Chiminazzo, 1997)
  • Faxer (Billy Bacon, 1999)
  • 1Real (Billy Bacon, 2000)


Referências

  1. Portfolio_Nú-Dës, J.J. Carol Editora, (2005)
  2. Fontes Digitais Brasileiras: de 1989 a 2001. Priscila Farias e Gustavo Piqueira. Edições Rosari (2003)