Billy Bacon

Billy Bacon
Gilberto Pereira Rêgo Júnior, mais conhecido pelo apelido Billy Bacon, (17 de julho 1968) é um designer conhecido por seu pioneirismo na tipografia brasileira e por seus trabalhos vanguardistas e pouco ortodoxos.

Origem e Educação

Nascido em 17 de julho de 1968 no Rio de Janeiro, Billy estudou Biologia Marinha, Marketing e foi vendedor de fotolitos na empresa Quimigráfica antes de estudar design na Faculdade da Cidade em 1990. Este primeiro contato com práticas convencionais de impressão e a oportunidade de vivenciar o cotidiano de uma empresa de artes gráficas influenciaram bastante seus trabalhos posteriores, nos quais iria combinar técnicas digitais e analógicas. Estudou design na Lorenzo di Medici em Florença e antes de se formar no Brasil, migrou em 1992 para a cidade de Denver, Colorado, nos Estados Unidos. Lá, estudou na Rocky Mountain College of Art & Design, onde em 1995 adquiriu o bacharelado em Advertising & Graphic Design. Nos EUA aproveitou diretamente o refluxo da revolução ocorrida no final dos anos 80 no design gráfico e testemunhou de perto o fim da era analógica. Também viu surgir as primeiras fonthouses digitais como Emigré, T-26 e House Industries e conheceu os designers P. Scott Makela e David Carson, conhecido por suas experimentações e fontes ilegíveis.[1]

"1990... na revista How tinha uma matéria sobre Neville Brody... ela me influenciou muito... na verdade ela foi o start, pode-se dizer, da SubVerTaipe (...) e foi durante esse período [1992 a 1995] que pude conhecer a Raygun… um designer – David Carson – desenvolveu um trabalho de tipografia completamente bizarro... mexeu com a cabeça de todo mundo em função da ilegibilidade... (...) a independência... a chance de fazer qualquer coisa."[2]


Nú-Dës

Após receber oito prêmios em uma competição de design do Art Director's Club of Denver, Billy retornou ao Brasil em 1995 onde estava em voga o debate entre o design construtivo racional e a perspectiva de novas linguagens, o que oferecia uma oportunidade histórica para atrair a atenção e se criar um posicionamento distinto no mercado. Em 1996, Billy Bacon fundou a Nú-Dës, um escritório de design cuja premissa era dialogar com linguagens populares, cultura kitsch e com o efêmero da moda e da música. Em uma eleição realizada pela revista Design Gráfico em 2000, a Nú-Dës foi eleita por profissionais brasileiros de design, um dos 10 mais importantes escritórios do país. Nesta época, a Nú-Dës tinha também como sócios o diretor de arte Ernani Cal e o dj e produtor musical Nado Leal. Diversos projetos do escritório foram premiados em Bienais de Design Gráfico da ADG Brasil e publicados em revistas especializadas no Brasil e no exterior. Até 2005, quando a Nú-Dës encerrou suas atividades, além de dirigir o escritório, Billy apresentava em eventos de design pelo país palestras não convencionais chamadas Nudes: ordem que misturavam projeções e performances ao vivo. O posicionamento, a atitude e os ideais deste laboratório gráfico e audiovisual influenciaram uma geração de designers ao estabelecer uma conjugação entre a experimentação e a objetividade do mundo comercial real. A Nú-Dës em sua formação 'empresa de design' existiu entre 1996 a 2005.


SubVerTaipe

Paralelamente à Nú-dës, Billy Bacon criou a SubVerTaipe, a primeira font-house genuinamente brasileira a comercializar e distribuir fontes digitais. Assim como foi feito em 1996 quando lançou a Nú-Dës, Billy enviou um kit promocional para agências de publicidade e design contendo fontes, catálogos, camisetas e um vídeo-documentário em VHS dirigido por Batman Zavareze. Essa ação marca, de fato, o lançamento das primeiras fontes brasileiras disponíveis tanto para MAC quanto para PC.

Billy aproveitava para dar vazão a suas criações tipográficas em projetos pessoais artísticos (ou da Nú-dës). As fontes da SubVerTaipe foram utilizadas em diversas mídias impressas nacionais e estrangeiras, assim como em vinhetas eletrônicas de canais de televisão.

A medida que suas fontes foram sendo utilizadas, a SubVerTaipe foi tornando-se conhecida pela maneira como promovia seus tipos conceituais e nada ortodoxos. Posters, cartazes, impressos, adesivos e intervenções em eventos de design divulgavam as fontes que eram desenhadas com pouca preocupação formal, deixando a legibilidade em segundo plano. A ideia era utilizar matrizes (máquinas de escrever danificadas, papél térmico, livros antigos e até mesmo confeitos de bolo) que permitissem resultados expressivos e de grande impacto visual, de modo a promover e desenvolver a disciplina tipográfica no país.


Ensino do Design

Em 1999 Billy Bacon tornou-se professor de design gráfico em instituições de ensino cariocas, tais como a Estácio de Sá e a Pontíficia Universidade Católica (PUC-RJ). Em 2001, organizou junto com outros profissionais o IDEM - International Design Educational Meeting em Ilha Grande, no Rio de Janeiro. Este evento reuniu profissionais, estudantes e professores de design de diversas universidades da Europa e Ásia. Entre 2004 e 2006, foi professor de design gráfico da Kabum!, braço social do antigo Instituto Telemar. Em 2006 mudou-se junto com Bruno Porto para Xangai para lecionar e coordenar o curso de Tipografia do departamento de Comunicação Visual da Raffles Design Institute. Tanto na China quanto no Brasil, Billy Bacon conduziu seminários sobre design e oficinas de tipografia. Ao retornar para o Brasil em 2008, ainda lecionou na PUC-RJ por mais um ano e em 2013 ingressou na Miami Ad School onde é professor de tipografia até hoje.


Boldº_a design company

Fundada em 2009 com Leo Eyer, Alexandre Aragão e Carlos Magalhães, o escritório Boldº_a design company manteve a tradição da Nú-Dës em criar peças que aliam o conceitual com o prático. Billy Bacon ressalta o uso da criatividade e inovação, além de coragem, para uma boa atuação do profissional da área de design, e salienta ser necessário haver um equilíbrio entre intuição, investigação e racionalidade.

“Não existe erro, existe resultado. Vejo o que foi positivo, o que foi negativo, e sigo adiante.”

A empresa possui diversos clientes de renome, tais quais Coca-Cola, Cargill, Orquestra Sinfônica Brasileira, Souza Cruz, Festival Multiplicidade, dentre outros.

Em 2013 o projeto de linguagem visual da Orquestra Sinfônica Brasileira ganhou a medalha de ouro do Prêmio Colunistas Design Brasil, e em 2014, o projeto de motion design do show 'Verdade Uma Ilusão' de Marisa Monte, foi destaque da 10a Bienal de Design ADG Brasil.

Atualmente, Billy está desvinculado da Boldº e exercendo o ofício como diretor de criação, diretor de arte e diretor de design freelancer.


Curiosidades

  • O apelido Billy Bacon foi criado pelo poeta e amigo Leandro Wirz em 1987 após Billy retornar do intercâmbio em Idaho, EUA.
  • A paixão de Billy Bacon pelo design fez com que tatuasse em sua pele as marcas da Nú-Dës, da SubVerTaipe e de cada uma de suas filhas, Mina e Mana, além dos próprios desenhos delas quando crianças. "Minhas duas filhinhas já nasceram com marca e tudo. Como diria meu amigo (...) em casa de ferreiro, o espeto é de ferro!"


Referências

  1. Portfolio_Nú-Dës, J.J. Carol Editora, (2005)
  2. Tupigrafia 2, 2001.